Home / Destaque / Presidente de escola de samba deve depor sobre morte de menina prensada por carro alegórico

Presidente de escola de samba deve depor sobre morte de menina prensada por carro alegórico

A Polícia Civil deve ouvir, nesta segunda-feira (25), o presidente da escola de samba Em Cima da Hora, responsável pelo carro alegórico que esmagou a menina Raquel Antunes da Silva, de 11 anos.

Além do presidente, também estava previsto, na 6ª DP (Cidade Nova), que investiga o caso, o depoimento do auxiliar da empresa Carvalhão que estava trabalhando na hora do acidente, mas a companhia pediu para transferir para terça-feira (26).

A morte de Raquel está sendo investigada como homicídio culposo (sem intenção de matar). O carro alegórico da escola de samba envolvido no acidente nas imediações do Sambódromo, no Rio, foi apreendido para perícia.

O corpo da menina foi enterrado no Cemitério do Catumbi, no centro, na tarde do sábado (23). A criança não resistiu após ficar quase dois dias internada no Hospital Souza Aguiar em estado grave. Ela sofreu traumatismo no tórax e precisou amputar uma perna.

Em choque, a mãe de Raquel, que está grávida, passou mal na porta do hospital e desmaiou ao receber a notícia da morte da filha.l

O acidente aconteceu no primeiro dia de desfiles das escolas de samba, na quarta-feira (20). Raquel subiu no carro alegórico no momento da dispersão na rua Frei Caneca. Quando o carro foi movimentado, a menina foi prensada contra um poste.

Muito abalada, uma amiga da família disse que Raquel foi à praça para passear com a mãe e que ela brincava quando houve o acidente.

“Raquel era uma criança. E, como toda criança, que sonha, que brinca, uma coleguinha a chamou para ver o carro. Quando a mãe foi ver, o acidente já tinha acontecido”, afirmou.

Após o ocorrido, o MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) declarou que houve violação das regras de segurança recomendadas aos organizadores do Carnaval. A Justiça determinou que os carros alegóricos sejam escoltados para evitar outros casos semelhantes.

Fonte: R7

Veja Também

SP: polícia busca suspeito de assassinar estudante da Unicamp

O corpo da vítima foi encontrado em uma ribanceira com pedras. Mayara tinha ferimentos de faca no braço, mão, tórax e cabeça

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.