domingo , 1 agosto 2021
Home / Destaque / Desemprego cresce em abril e atinge maior nível em 11 anos

Desemprego cresce em abril e atinge maior nível em 11 anos

Após fechar o primeiro trimestre em 14,7%, o desemprego aumentou 0,4 ponto percentual e fechou o trimestre encerrado em abril no mesmo patamar. O percentual equivale a 14,8 milhões de pessoas fora do mercado de trabalho, de acordo com dados divulgados nesta quarta-feira (30), pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Com o resultado, o nível de desemprego renova a maior taxa de desocupação da série histórica da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), que começou a ser divulgada em 2012. No recorde anterior, registrado no trimestre encerrado em março, eram 14,7 milhões desempregados.

No período entre fevereiro e abril, o número de desempregados variou 3,4%, com mais 489 mil pessoas desocupadas. “O cenário foi de estabilidade da população ocupada (85,9 milhões) e crescimento da população desocupada, com mais pressão sobre o mercado de trabalho”, aponta a analista da pesquisa, Adriana Beringuy.

De acordo com os dados da Pnad, o nível de ocupação (48,5%) da população brasileira continua abaixo de 50% desde o trimestre encerrado em maio do ano passado, quando o mercado de trabalho já sofria com os efeitos da pandemia do novo coronavírus. O percentual indica que menos da metade da população em idade para trabalhar está ocupada no Brasil.

Na comparação com o trimestre fechado em abril do ano passado, quando foram observados os primeiros efeitos da pandemia, o mercado de trabalho ainda registra saltos na taxa de ocupação. “Ainda registramos perdas importantes da população ocupada, mas já tivemos percentuais maiores, que chegaram a 12% no auge da pandemia. Estamos observando, portanto, uma redução no ritmo de perdas a cada trimestre”, explica Adriana.

A taxa de informalidade foi de 39,8% no trimestre encerrado em abril, o que equivale a 34,2 milhões de pessoas, o que não representa uma variação significativa em relação aos três meses anteriores, quando a taxa era de 39,7%. Há um ano, o grupo de trabalhadores sem carteira assinada, sem CNPJ ou sem remuneração somava 34,6 milhões de trabalhadores (38,8%).

O estudo aponta ainda que o salário médio recebido pelos trabalhadores foi de R$ 2.532 entre fevereiro e abril, o que também corresponde a uma estabilidade em relação ao período anterior. A massa de rendimento real, que é soma de todos os rendimentos dos trabalhadores, é de R$ 212,3 bilhões.

Tipo de colocação

Entre fevereiro e abril, a maioria dos indicadores permaneceram estáveis na comparação com o trimestre anterior. No período, somente os trabalhadores por conta própria cresceram 2,3% (+537 mil), totalizando 24 milhões.

Os trabalhadores com carteira assinada no setor privado ficaram estáveis em 29,6 milhões no trimestre. Já os empregados informais do setor privado também mantiveram no mesmo nível, em 9,8 milhões, na mesma base de comparação.

A categoria dos trabalhadores domésticos foi estimada em 5 milhões de pessoas, o que corresponde a uma redução de 10,4% (572 mil) em um ano. Os empregados do setor público, por sua vez, ficaram estáveis em 11,8 milhões.

Fonte: R7

Veja Também

Medalha histórica do Brasil no skate é destaque do dia em Tóquio

Rayssa, de 13 anos, ficou com a prata no torneio; Medina e Italo avançaram no surfe e vôlei masculino venceu em jogo emocionante

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *