domingo , 28 novembro 2021
Home / Destaque / China é responsável por 31% das emissões de CO₂ em 2021

China é responsável por 31% das emissões de CO₂ em 2021

A China é responsável por 31% das emissões de CO₂, o principal gás do efeito estufa, em 2021, segundo um estudo do consórcio internacional de cientistas Global Carbon Project divulgado durante a COP26, cúpula da ONU sobre as mudanças climáticas. 

“Esse relatório é um balde de água fria”, comentou em entrevista à AFP a coautora Corinne Le Quéré, professora de mudanças climáticas na Universidade de East Anglia. “Mostra o que acontece no mundo real, enquanto aqui em Glasgow falamos sobre como lidar com as mudanças climáticas.”

Por outro lado, em 2021 as emissões cairão 3,7% nos Estados Unidos e 4,2% na União Europeia,  aponta o estudo. Os Estados Unidos respondem por 14% das emissões planetárias, e a UE, por 7%. A Índia, o quarto maior emissor, é responsável por 7%.

A pandemia freou brutalmente a economia mundial  e, com isso, a poluição do planeta decorrente do consumo de energia fóssil, mas as emissões globais neste ano voltaram a se aproximar de níveis recordes. Em 2020, as emissões totais caíram 5,4%, porém em 2021 devem se elevar 4,9%, a menos de 1% do recorde de 2019.

O relatório constata que a reativação econômica voltou a se basear nos combustíveis fósseis. As emissões devido ao petróleo devem aumentar 4,4% em 2021. Não voltarão aos níveis de 2019, mas os autores assinalam que o setor de transportes ainda não retornou aos níveis pré-crise.https://ec4be1b8cb8e1f5edf09085f862c5495.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

Sem ‘mudança estrutural’


A consequência desse reaquecimento da economia e do planeta é que se torna cada vez mais distante o objetivo ideal de limitar o aumento da temperatura em 1,5ºC.

O planeta já experimentou um aumento entre 1,1ºC e 1,2ºC em relação à era pré-industrial. No ritmo atual, o mundo tem apenas oito anos para ter 50% de chance de limitar o aumento da temperatura em 1,5°C.

A queda da atividade mundial devido à pandemia “nunca foi uma mudança estrutural. Deixar o carro temporariamente na garagem ou trocá-lo por um veículo elétrico não é a mesma coisa”, disse Corinne.

A recuperação “foi mais forte do que o esperado”, destacou Glen Peters, do Centro Internacional de Pesquisas sobre o Clima, outro autor do estudo.

Para alcançar o equilíbrio entre emissões e retenções de gases em 2050, o que se conhece como neutralidade de carbono, seria necessário deixar de emitir 1,4 bilhão de toneladas por ano.

Fonte: R7

Veja Também

Em SP, 56% dos hospitais estaduais já não têm pacientes de Covid

Com a queda dos casos, 37 hospitais do estado já estão voltados para o atendimento de outras doenças

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *