domingo , 19 setembro 2021
Home / Destaque / Café: Cultivo sustentável faz RO ficar entre os maiores produtores do país

Café: Cultivo sustentável faz RO ficar entre os maiores produtores do país

Extensionistas da Entidade Autárquica de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-RO) participaram, nos dias 10, 11 e 12 de agosto, do treinamento sobre o currículo de sustentabilidade do café. A iniciativa teve a parceria da Plataforma Global do Café no intuito de atualizar e nivelar informações junto aos extensionistas para que eles possam levar as orientações aos cafeicultores de suas regiões. A proposta visa conscientizar e cadastrar produtores rurais para produção de um café de qualidade e sustentável.

A Plataforma Global do Café é uma associação internacional composta por membros de todos os segmentos da cadeia produtiva do café que tem por objetivo criar um setor cafeeiro sustentável que ofereça condições de vida e de trabalho para os agricultores e assegure sua permanência na atividade, ao mesmo tempo em que protege os recursos naturais. Nos últimos cinco anos a Emater-RO tem levado essa proposta aos cafeicultores rondonienses e a adesão vem sendo cada vez maior.

Fausto Lima Farias de Souza, responsável pela área vegetal na Emater-RO, explica que já é possível observar as melhorias obtidas junto aos produtores rurais assistidos e cita a indicação geográfica como um dos principais resultados obtidos com o incremento da Plataforma Global do café no Estado. “Hoje os cafeicultores já estão aderindo às práticas mais sustentáveis e se preocupam em colher o café na cereja, melhorando cada vez mais o café produzido em Rondônia”.

A indicação geográfica é um ativo de propriedade industrial que identifica a origem do produto, dando a ele a característica de um produto de qualidade e sustentabilidade reconhecidas. Quando uma região ganha o selo de indicação geográfica, o consumidor tem a garantia de estar consumindo um produto genuinamente classificado dentro dos padrões de qualidade e sustentabilidade exigidos.

Recentemente os cafés produzidos na região das Matas de Rondônia, que é formado pela circunvizinhança da região de Rolim de Moura, Cacoal e parte do Vale do Guaporé, receberam esse selo, garantindo aos agricultores a possibilidade de comercializar competitivamente em novos mercados. Mas para que se possa manter essa qualificação, é preciso que cada produtor tenha todos os itens constantes do currículo de sustentabilidade. “São mais de 100 itens relacionados”, explica Fausto.

A realização do treinamento sobre o currículo de sustentabilidade do café promovido pela Emater-RO e ministrado por técnicos da Plataforma Global do Café vem para fortalecer essa ideia e promover, em curto prazo, uma efetiva melhora no preço do produto e na vida do produtor rural e, em longo prazo, consolidar uma cadeia sustentável da cafeicultura, apresentando o café de Rondônia para o mundo, como um café verdadeiramente de qualidade e sustentável.

INCENTIVO VEM DO GOVERNO

O café de Rondônia ganhou destaque na última década. Essa projeção tem muito a ver com o investimento que o Governo vem fazendo desde que deu início ao programa de recuperação da lavoura cafeeira até os incentivos, por meio dos programas e projetos de políticas públicas de desenvolvimento rural, que são oferecidos para os agricultores.

São programas como o “Pra Café”, de armazenamento de grãos de café; e o “Plante Mais”, que distribui mudas qualificadas aos interessados no cultivo da cultura; a viabilização de crédito rural específico através de linhas como do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé), que financia o custo do café, incluindo a colheita, compra de insumos, mão de obra e estocagem, e o Pronaf, que é o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar, além das orientações técnicas e assistência da Emater-RO e do incentivo através do Concurso de Qualidade e Sustentabilidade do Café do Rondônia, o Concafé.

Esses incentivos oferecidos pelo governo têm contribuído para que o estado se mantenha entre os melhores produtores do país. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Rondônia conta com pouco mais de 60 mil hectares de café plantado, com produção de dois milhões de sacas e produtividade em torno de 37 sacas por hectares (estes últimos são dados extraídos da Emater-RO). São números que colocam Rondônia como o 5º maior produtor e de café e o 2º maior produtor de robusta no Brasil, mas a meta é melhorar ainda mais, aumentado a produção e o número de cafeicultores no estado.

Fonte:R7

Veja Também

Bolsonaro confirma presença em evento da ONU: ‘Teremos verdades’

Assembleia-Geral será em Nova York na próxima semana. O chefe de Estado brasileiro normalmente faz o discurso de abertura

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *