sexta-feira , 22 outubro 2021
Home / Destaque / Anvisa pede isolamento a comitiva de Bolsonaro que foi aos EUA

Anvisa pede isolamento a comitiva de Bolsonaro que foi aos EUA

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomendou o isolamento dos integrantes da comitiva brasileira que acompanhou o presidente Jair Bolsonaro na viagem a Nova York para a Assembleia Geral na Organização das Nações Unidas (ONU). Junto com o grupo estava o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, que testou positivo para Covid-19.

O ofício da Anvisa foi encaminhado na madrugada desta quarta-feira (22) à Casa Civil da Presidência da República. A agência pediu para que os membros da comitiva permaneçam isolados por 14 dias, de conforme preconiza o “Guia de Vigilância Epidemiológica para Covid-19”, publicado pelo Ministério da Saúde.

A recomendação da agência trazia orientação sobre o desembarque da equipe, “de forma a expor o mínimo possível ambientes e pessoas”. Bolsonaro e equipe pousaram no Aeroporto JK, em Brasília, na manhã desta quarta-feira.

A Anvisa também pede que o período de isolamento seja cumprido na cidade de desembarque e que os integrantes sejam testados novamente em solo brasileiro. Outra recomendação é sobre a “limpeza e desinfecção da aeronave conforme protocolos de higienização”.

R7 procurou a Casa Civil para falar sobre o assunto, mas não recebeu resposta até a última atualização desta reportagem.

Queiroga ficou nos EUA
O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, testou positivo para Covid-19 na noite dessa terça-feira (21). Ele participava da comitiva que acompanhava o presidente Bolsonaro em Nova York para a Assembleia Geral das Nações Unidas. O ministro já tomou as duas doses da vacina.

A informação foi confirmada em nota divulgada pela Secretaria Especial de Comunicação Social. Pelo texto, o ministro passa bem e os demais integrantes da comitiva realizaram o exame e testaram negativo para a doença.

Queiroga terá de cumprir quarentena na cidade por 14 dias antes de retornar ao Brasil. Ele foi o segundo integrante da equipe presidencial a contrair o vírus nos Estados Unidos. O primeiro caso foi um diplomata que atua no cerimonial da Presidência da República e que integrou a equipe para ajudar na organização da viagem antes da chegada de Bolsonaro.

Fonte: R7

Veja Também

Alec Baldwin fala pela 1ª vez sobre morte de diretora: ‘Tristeza’

Artista afirmou que está cooperando com as investigações sobre o acidente que matou Halyna Hutchins no set do filme Rust, nos EUA

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *